terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Pra que servem os mosquitos?

Depois de muito tempo, resolvi tirar o paranho aqui do blog (mas a Página no Face anda em plena atividade). 

O motivo de voltar aqui foi a guerra (pode-se dizer mundial) declarada nos últimos dias aos mosquitos, especialmente o Aedes aegypti, que já não bastasse ser o transmissor da dengue e febre amarela, agora descobriu-se ser responsável pela transmissão de outras doenças graves, como a chikungunya e zika virus.

Ninguém gosta. Mas pra alguma coisa ele serve.


Mas será que os mosquitos não servem para nada? 

Aproximadamente 3.500 espécies de mosquitos já foram descritas e classificadas. O que pouca gente sabe, é que apenas algumas centenas trazem malefícios à população humana. Dessa forma, se todos os mosquitos fossem exterminados muitas doenças também teriam fim (quando a única forma de transmissão for o mosquito), e diminuiriam no caso do mosquito não ser a única forma de transmissão. 

Mas afinal, para que eles servem?

Os mosquitos surgiram há cerca de 100 milhões de anos atrás, e desde então co-evoluíram com diversas outras espécies. Os mosquitos são alimentos fáceis de serem capturados, por isso são as presas preferidas de diversos animais. Determinadas espécies de peixes alimentam-se apenas de larvas de mosquitos, e poderiam ser extintos caso estas larvas não existissem mais e eles não se adaptassem a nenhum outro tipo de alimento. 
Pesquisadores estimam que, em um mundo sem mosquitos, o número de aves migratórias que formam ninhos em tundras cairia em 50%. Além disso, outros animais que se alimentam de insetos (aranhas, lagartos e sapos) seriam impactados com a perda de sua fonte primária de alimento. 

Os mosquitos também são muito importantes na ciclagem dos nutrientes. Isso porque as larvas de mosquitos geralmente vivem em ambientes aquáticos, constituindo grande parte da biomassa de rios e lagos e exercendo a importante função de decompositores de matéria orgânica morta.  As larvas de mosquito (Assim como formigas, fungos e bactérias,) alimentam-se de folhas, detritos e microrganismos mortos.

A espécie Forcipomyia hardyi é uma grande polinizadora de cacau, a matéria-prima utilizada para a produção de chocolate. Ou seja: em um mundo sem mosquitos, poderíamos até não nos preocupar com as picadas, mas já pensaram viver em um mundo sem chocolate? E não apenas o cacau seria afetado: os mosquitos polinizam milhares de outras espécies de plantas, pois os adultos dependem do néctar para sobreviver.

Já pensou viver em um mundo sem chocolate?

Apesar de todas estas funções ecológicas, muitos pesquisadores afirmam que o desequilíbrio ecológico causado pela extinção dos mosquitos não seria tão grave se comparado ao problema que estes animais causam à saúde humana.   

Com milhares de pessoas mortas por doenças como o ebola e a malária, os governos precisariam gastar menos dinheiro com saúde pública e controle de doenças e utilizar este dinheiro para o desenvolvimento dos países que mais sofrem com estas doenças. 


De qualquer forma, em relação ao extermínio de todas as espécies de mosquitos, todo o esforço humano para eliminar especialmente aqueles que transmitem doenças, os resultados mostram que a era dos mosquitos não parece estar próxima de um fim.

Fonte: Nature.

Pernilongo Rajado - "Aedes aegypti"

Aedes aegypti é a nomenclatura taxonômica do mosquito popularmente conhecido como mosquito-da-dengue ou pernilongo-rajado. É uma espécie de mosquito da família Culicidae, originária da África e atualmente distribuído por quase todo o mundo, especialmente em regiões tropicais e subtropicais.

Mede menos de 1 centímetro e é preto com manchas brancas no corpo e nas pernas.

O mosquito está dependente da concentração humana para se estabelecer. Bem adaptado a zonas urbanas, especialmente aos domicílios, onde consegue reproduzir-se e pôr os seus ovos em pequenas quantidades de água limpa.

O Aedes aegypti é um mosquito ativo e pica durante o dia. Tem como vítima preferencial o homem e faz praticamente não produz som audível antes de picar. 

O seu combate é difícil, pois seus ovos são muito resistentes e o mosquito é muito versátil na escolha dos criadouros onde deposita seus ovos. Os ovos podem sobreviver vários meses até que a chegada de água propicie a incubação. Uma vez imersos, os ovos desenvolvem-se rapidamente em larvas, que dão origem às pupas, das quais surge o adulto. 
Ciclo de Vida do Aedes aegypti


Como em quase todos os outros mosquitos, somente as fêmeas se alimentam de sangue para a maturação de seus ovos.  Se estiverem contaminadas, ao picar podem transmitir dengue, febre amarela, chikungunya e zika virus.